Murray Hopper

Murray Hopper, nossa sorteada. Nascida em Nova York, no ano de 1906, enfrentou consigo uma dura realidade político/social. Nos Estados Unidos, negros só adquiriram direito ao voto em 1870, mas as mulheres apenas em 1920. Quando criança, amava desmontar relógios apenas para ver como funcionavam, tornando-se no futuro almirante da marinha e cientista da computação. Alistou-se no WAVES (Women Accepted for Volunteer Emergency Service). Lá, a marinha acabou a enviando para o projeto de computação de Harvard, para que pudesse programar um dos primeiros computadores eletrônicos já existentes. Mais uma vez Grace brilhou. Diz-se que quando viu o MARK I, com todos seus pomposos 15 metros de largura, pensou consigo que era o equipamento mais bonito que ela já tinha visto. Uma vez, já no projeto MARK II (1947), descobriu o motivo do computador ter travado. Imaginem só: uma mariposa estava presa em um dos relês. E assim, cunhou pela primeira vez o termo “debugging” - o ato de remover o “bug”. Lembre-se dela toda vez que falar que seu programa “deu bug” ein?! Também foi a criadora dos compiladores, e fez especificações e padrões para a COBOL. Extremamente ativa, não parou nem com a aposentadoria. Tão amada e aclamada, teve todas as honrarias da marinha na sua morte (1992) e inclusive, foi homenageada com um navio, o USS Hopper. O lema do navio não podia ser mais parecido com ela: AUDE ET EFFICE — OUSE E FAÇA.
.
#MeninasDigitaisNoCerrado
#GarotasCPBr

Conheça uma das desenvolvedoras da LINGUAGEM BASIC



Irmã Mary Kenneth Keller, uma das desenvolvedoras da linguagem BASIC. Com uma data incerta de nascimento, estima-se que Mary nasceu em Ohio, em 1914. Pouco se conhece sobre sua infância e vida antes da carreira religiosa e acadêmica. Entrou como Irmã de Caridade em 1932 e em 1940, acabou professando seus votos. A partir daí, começou no meio acadêmico, obtendo o grau de bacharelado em Ciências com ênfase em Matemática em 1943. Foi a primeira mulher a obter doutorado em Ciências da Computação. Sua tese intitulou-se “Inferência indutiva dos modelos gerados pelo computador”. O interesse de Keller pela informática surgiu pelo fato da freira acreditar que o conhecimento sobre tal campo deveria ser para todos e todas. Com isso, escreveu quatro livros sobre ciência da computação, considerando o computador instrumento para prover maior acesso a informação e educação de qualidade. Na década de 60, ao estudar no Dartmouth College, trabalhou no centro de ciências de computação, mesmo que o instituto ainda fosse reservado ao público masculino e lá, pôde ajudar no desenvolvimento da linguagem BASIC (criada em 1964), lutando assim pela inclusão feminina na área. A importância dessa linguagem foi crucial para que hoje cada um de nós possa criar seu próprio programa de computador
.

A alegria de ser Mulher, na História e na Atualidade.

Excelente palestra em VÍDEO de LEANDRO KARNAL na UNICAMP - SP sobre a MULHER, com um texto culto e explícito, exaltando todas as formas da Mulher, seja mental, sentimental, intelectual ou com base no preconceito na História e na Atualidade, abordados de forma cômica, irônica e ainda assim realista!!!